quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

São Sebastião do Rio de Janeiro

De acordo com antigos registros civis e religiosos, minha cidade natal se chama "A muy leal e heroica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro". Hoje é feriado, aqui no  município, em homenagem a seu santo padroeiro. Por que o Rio de Janeiro tem esse nome? Por que São Sebastião? Muita gente deve saber, mas estou em momento elucrubativo histórico - AMO História e histórias (houve uma época que tentaram fazer uma diferença entre "história" e "estória", à semelhança do history e story, do inglês, lá pelos anos 60 - mas "não pegou").
Foi em 1º de janeiro de 1502 que os portugueses chegaram à atual Baía de Guanabara. Achando que se tratava da foz de um rio, deram-lhe o nome de Rio de Janeiro. Isso é história bem conhecida, acho. A cidade foi fundada em 1565 por Estácio de Sá , com o nome de São Sebastião do Rio de Janeiro.

"Partida de Estácio de Sá" - Benedito Calixto (1853 - 1927)
O objetivo da fundação foi dar início à expulsão dos franceses calvinistas, que já estavam por aqui havia 10 anos. Conta a lenda que na batalha final que expulsou os franceses do Rio, São Sebastião foi visto de espada na mão, lutando ao lado dos portugueses, mamelucos e índios. Era dia 20 de janeiro de 1567.
O nome São Sebastião foi dado em homenagem ao então rei de Portugal, D. Sebastião, da casa de Avis. Vale a pena dar uma olhada na biografia desse rei. Por causa dele, o Brasil foi espanhol de 1580 a 1640. Sua grande ambição era criar um império português no norte da África. Seu projeto terminou tragicamente, na batalha de Alcácer-Quibir (1578), quando ele desapareceu misteriosamente em combate, com apenas 24 anos de idade. Como não tinha herdeiros, em seu lugar subiu ao trono seu tio, o cardeal D. Henrique, que, além de velho, era padre - não tinha herdeiros. Depois de várias manobras, o país passou a fazer parte do reino da Espanha, sob Filipe II (este rei também tem uma história e tanto!)
Botticelli (1445-1510)
E o santo? Há controvérsias quanto ao local de seu nascimento. Teria nascido na Itália, em Pretória, no séc. III. A mãe era de Narbonne (na França ) e o pai de Milão (na Itália). Outros dizem que teria nascido em Narbonne. Como naquela época ainda não havia nações, mas condados, principados, etc. etc., a gente simplifica, dizendo que era italiano, ou que era francês, de mãe fancesa e pai italiano. Afinal, este blog não é de História, mas de Artesanato. Mas o que posso fazer? Afinal, isto tudo faz parte do grande quilt da vida ... A vida dele está muito bem contada aqui. Só quero acrescentar que São Sebastião é invocado contra a fome, a peste e a guerra.

Ainda elucubrando (gente!!! Hoje estou que estou!): na minha juventude, o cinema francês é que mandava! As produções franco-italianas, então, eram o máximo. Havia um filme "Fabíola", estrelado pela Michèle Morgan (aposto que nunca ouviram falar nela) , do qual me lembro muito, marcou minha infância-adolescência. A Internet me ajudou a reavivar as lembranças. A história é fictícia, mas havia personagens verídicas, e uma delas era Sebastiano, um soldado de Diocleciano. Fabíola é filha de um senador romano, que se apaixona por Rhual, um gladiador. O pai de Fabíola é assassinado, e põem a culpa nos cristãos. Rhual deve levar os cristãos para o sacrifício, mas ele é cristão e consegue converter Fabíola.  O ator que fez São Sebastião foi Massimo Girotti, sem trocadilho, o MÁXIMO! Ele não era o ator principal do filme. Henri Vidal é quem fazia o papel de Rhual (ele foi casado com a Michèle Morgan).


gaumont.fr
foto de Sam Levin (ilmuseodellouvre.com)
dvdtoile.com
Minha colcha de retalhos de hoje - minha cidade e suas personagens; Portugal -Espanha; infância-juventude: filmes franceses e italianos; gente bonita e talentosa.
Acrescentando: acabei de dar uma olhadinha no Facebook e vi que meu querido amigo Gustavo de Sá colocou um vídeo da peça sinfônica de Debussy, Le martyre de Saint Sébastien. Valeu, Gustavo!
(por Cecilia)

6 comentários:

Beatriz disse...

Estou adorando o blog de vocês.

Gostei de tudo. Voltarei sempre e direi que estive aqui!

Beatriz

A Casca da Cigarra disse...

Cecília, essa Michele não lembra a Vera Fischer novinha? Só para "pop - ularizar" suas sincronicidades com Sebastião vou cantar: O mumdo é bão Sebastião!
Beijo
Déia

Cecilia e Helena disse...

Déia:
Dá uma olhada no link que eu coloquei da Wikipedia. Tem uma foto dela que é a cara da Vera Fisher.
Abraço da Cecilia.

Liège disse...

Querida Cecilia, adorei este post!
O mito do sebastianismo (do rei de Portugal) também é muito interessante.
Beijos.

Flávia Souza disse...

Amore, passa lá no blog que tem sorteio (http://conexaoflavia.blogspot.com/2011/01/primeiro-sorteio-do-conexao-flavia.html).

Bjks

Flávia
http://conexaoflavia.blogspot.com

Andrea Guim disse...

Oi, Cecília!
Uma consulta técnica:
Quero 'estofar' minha poltrona vintage com tecido azul turquesa ou celeste. Quero um tecido resistente (não tanto quanto os de estofar), gostoso e 'sem brilho'. Qual tipo de tecido posso procurar? Tô pensando em ir ao Saara...
Beijins!!!!!