terça-feira, 29 de junho de 2010

Arrumando as estantes


acornfineart.com/brennan.html
Enquanto a Helena vai ali e já volta, continuo por aqui, na tarefa aparentemente interminável de arrumar meus livros. Depois do lerê lerê lá de Brasília, voltei ao Rio decidida a organizá-los (quando fui para lá já sabia que essa seria minha tarefa ao voltar), desfazer-me de alguns - quer dizer - fazê-los circular. Vamos ser sinceras, há livros que sabemos que não vamos voltar a ler. Então, por que mantê-los na estante, quietinhos, sem poderem espalhar pelo mundo a razão de existirem? Há livros que lemos, relemos mil vezes. Mas há outros que lemos e guardamos, sabendo que não vão mais ser abertos. Podem interessar a outras pessoas, não é mesmo? Quando estava dando aulas, ganhava muitos livros didáticos, principalmente de espanhol. Penso que poderão ser úteis para outros colegas, que ainda estão na labuta. Há romances que sei que não vou reler, por um motivo ou outro (em compensação, há alguns sem os quais minha vida seria menos agradável). Estou arrumando, separando, recolocando nas estantes aqueles que quero que continuem comigo. Enquanto isso, o lerê lerê artesanal vai esperando um pouquinho. Abri exceção para a Helô que me pediu meias de lã "porque só consigo dormir com as meias que a vovó faz". Daqui a alguns dias volto à ativa. Mas antes da volta da Helena ainda apareço por aqui. Como diz a Helô: "Beijo, ciao, abraço".
(por Cecilia)

7 comentários:

rosana sperotto disse...

Cecília, preciso animar-me a fazer o mesmo, não só na estante dos livros, mas em outros armários, gavetas, caixas... Antes da chegada da Laély aqui, andei alguns quilômetros exercitando o desapego, e muito das quinquilharias ganhou outro rumo. Gosto também de pensar que o prazo de validade do que nos acompanha precisa ser verificado para que possamos abrir espaço ao novo e oportunizar que novos destinos produtivos sejam liberados. Abraço grande!

Cintia Branco disse...

Cecília,

Eu abro mão de tudo o que não ocupo mais, porém com os livros não consigo, tenho afeto, quero tê-los comigo sempre. Freud explica, com certeza.
Beijos

Santinha disse...

Concordo com você; há livros que nao vamos ler novamente...mas eu tenho uma dó danada de me desfazer de livros.
Esses dias estava olhando para uma coléçao da Ciencia Ilustrada (antiguidade)e resolvi dá um uso para ela - Acho que vou postar no blog; usei como suporte para uma prateleira de vidro.
bjus e boa arrumação

Vanessa Biali disse...

Oi, Cecília!
Eu também, como boa ex-professora, tenho uma pilha de livros para fazer circular.
Agora, estou lendo o "Jogue fora 50 coisas", de Gail Blanke. Fala dessa organização necessária para termos uma vida mais feliz e produtiva.
Boa organização!
Beijos,
Vanessa

Ana Matusita disse...

Oi Cecília,

eu ainda sou muito apegada, embora adore uma limpeza/organização/separação/doação. Há uns dias, fiquei chateada ao ver que meu filho queria um livro que eu tive, mas doei.
Bobagem, né?
Bj, Ana

Mariane disse...

Que delícia ganhar meias da vovó!
Quanto aos livros tenho uns pares que são meu xodó, alguns antigos que eu comprei em sebos, não relei onenhum deles, mas gosto de saber que estão lá.
Desde criança guardo uns pares de livros que eu considerava incríveis e agora fazem parte da imaginação da minha pequena, herdei só 2 da minha mãe e adoro, mas deixei muitos para minha filha.
Livros sempre fazem as pessoas felizes, sejam romances ou didáticos, dê sim, mas par alguém que sabe que vai dar valor e usar.

calma que estou com pressa disse...

oi Cecilia- realmente tu tens razão temos que nos desapegar- tenho vários livros e tem uns que leio todos os anos, mas algns ficam lá , olho e gurado de novo- já doei muitos para biblioteca local e dos colégios dos filhos, e tem livros que emprestei egostaria de ter e levei o bolo-
boa arrumação prá ti
e faz a meinha pra netina que é algo inesquecivel para ela
bjs